Notícias

Aposentadoria

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), apresentou voto favorável no julgamento sobre a tese da “revisão da vida toda” dos aposentados pelo INSS.

Julgamento foi retomado a partir da meia-noite desta sexta-feira (25), e voto de Moraes era considerado decisivo; E foi ! Aprovada por 6 x 5, a partir desta data, todas as contribuições previdenciárias feitas ao INSS pelos trabalhadores no período anterior a julho de 1994 podem ser consideradas no cálculo das aposentadorias. Com isso, parte dos aposentados poderá aumentar seus rendimentos. O Governo Federal estima rombo de até R$ 46 bilhões com revisão desses benefícios.

A decisão foi classificada por técnicos do governo como um “desastre” para as contas públicas . Segundo estimativas, o impacto para a Previdência será oneroso e irá refletir nos cofres até 2029, considerando revisões e concessões. Embora todos os ministros já tenham votado, o prazo dado para concluir o julgamento acaba somente em 8 de março. Até lá, algum ministro pode pedir que o caso, analisado no plenário virtual, seja levado ao plenário físico.

Se isso ocorrer, o julgamento começará do zero novamente. Um efeito prático disso é que o ministro Marco Aurélio Mello, que votou a favor da “revisão da vida toda” em junho do ano passado, mas se aposentou em julho, não participaria mais do julgamento.

Entenda o que está em jogo na “revisão da vida toda” e a quem interessa?

Aos beneficiários do INSS, na época em que valia a regra de transição da Reforma da Previdência de 1999, que tinham salários maiores até 1994.

 

O que mudou com a reforma de 1999?

A Lei no 9.876 instituiu um novo cálculo do valor do benefício a ser recebido pelo INSS. Foi criado o fator previdenciário e a base de cálculo dos benefícios passou a ser os maiores salários de contribuição, correspondentes a 80% de todo o período contributivo do segurado.

 

O que diz a regra de transição?

Para quem já contribuía à Previdência Social, antes de 1999, o benefício deveria ser calculado com base no valor das contribuições posteriores a julho de 1994, data do plano real.

 

Qual o impacto de uma decisão favorável aos aposentados?

Poderão ser computados seus maiores salários para a revisão do cálculo do benefício.

 

Qual o impacto de uma decisão favorável ao INSS?

Pode evitar um impacto de R$ 46,4 bilhões nos cofres da União, em relação ao período de 2015 a 2029, segundo estimativa da Secretaria de Previdência do Ministério da Economia. Mas o Instituto de Estudos Previdenciários (Ieprev) diz haver um equívoco sobre o valor, pois ele não considera os processos ajuizados que já haviam ultrapassado o prazo decadencial e os “milhares” de casos em que o novo valor não será vantajoso.

 

Quem pode entrar com ação na Justiça?

Advogados destacam que é importante primeiro fazer os cálculos para saber se vale a pena. Além disso, só é possível pedir a revisão da aposentadoria até dez anos depois da concessão. E, por causa da reforma da previdência de 2019, a revisão da vida toda só poderia ser aplicada a quem completou os requisitos para se aposentar até novembro de 2019.

 

O que diz a jurisprudência?

O Superior Tribunal de Justiça julgou o assunto de forma favorável aos aposentados. Mas prevalecerá a decisão do Supremo.

 

OPINIÃO DA DRª WANESSA ALDRIGUES

“Nada mais justo e necessário que os trabalhadores, segurados do INSS, possam ter essa revisão da vida toda garantida, para inclusão das contribuições anteriores a julho de 1994, resultando assim um possível aumento do valor mensal do benefício e recebimento dos últimos cinco anos dos atrasados.”

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Adicionadas recentemente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.